quarta-feira, 22 de setembro de 2010

As várias versões de um fato

Época de campanha eleitoral é ótima para burburinhos, diz que diz. Além de boatos e constantes fofocas, somos presenteados com versões diferentes de uma mesma história. Um único fato, mas zilhões de perspectivas.
Há tempos atras, um almoço entre Lula e a Folha de São Paulo ocorrido no ano de 2002 causou alvoroço na imprensa. Os comentários acerca do almoço se iniciaram no momento em que Lula, durante um comício em Campo Grande (MS), criticou a soberania dos poderosos e, sobretudo, o preconceito da imprensa, que o ridicularizou por anos devido a sua origem, as suas escorregadas linguísticas e, principalmente, a falta do diploma universitário.



“Hoje eu brinco com o preconceito. Hoje eu falo “menas” laranja e as pessoas acham engraçado, mas quando eu falava em 89, eu era um “anarfa”. Porque a ignorância dos que me achavam “anarfa” era de confundir a inteligência com o conhecimento e aprendizado de um banco de aprendizagem”, desabou o ex-operário.
No comício, Lula segue discursando e se recorda de um almoço que teve com o diretor da Folha, que o indagou sobre o seu desejo de governar e a sua falta de conhecimento. “ E o diretor da Folha de São Paulo perguntou pra mim: “Escuta aqui candidato. Você fala inglês?”. Eu falei, nao! "Como é que você quer governar o Brasil se você não fala inglês?" Eu falei: Mas eu vou arrumar um tradutor. "Mas assim não é possível, o Brasil precisa ter um presidente que fala inglês!". E eu perguntei pra ele: "Alguém já perguntou se o Bill Clinton fala português?", contou Lula.
Acerca do que foi perguntado, a Folha de São Paulo, diz que o presidente está equivocado e que foi acometido por uma falta de memória: "A memória do presidente anda ruim ou ele está distorcendo o episódio de propósito", salientou o diretor da Folha, Frias. Ele também afirmou que em momento algum Lula foi questionado sobre saber ou não a língua inglesa.
Lula diz que sim, Folha diz que não. E, por sua vez, Ricardo Kotscho se pronunciou sobre o assunto, pois na época era o assessor de imprensa de Lula. Em seu blog , ele descreve a história tal qual como a contou em seu livro, Do Golpe ao Planalto. O mesmo fato, várias versões. Com qual vocês ficam?

2 comentários:

  1. Fico com nenhuma.
    O que acho positivo é a liberdade para que cada um tenha sua versão.

    =)

    ResponderExcluir