quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Ajuda do governo sim, e por que não?

Por esses dias recebi uma mensagem curiosa no twitter que dizia: “Feministas querem que governo incentive divisão de tarefas domésticas entre homem e mulher”. Na hora cliquei para ver a matéria na integra. Gostei.
Fui ver do que tratava, e, mais uma vez, adorei. Eu acho justo que os homens ajudem nas atividades domésticas. Oras bolas, por que eu tenho que trabalhar fora e em casa, e ele apenas fora? Sim senhor, se as mulheres possuem uma jornada tripla (trabalho+casa+filho – quando se tem), que os homens também possuam. Ajuda é fundamental e a divisão do serviço não mataria ninguém, apenas otimizaria o tempo dele e dela. Depois de tudo limpo, arrumado e bem cuidado, sobraria tempo para ele e para ela, para um livro, uma pelada, uma caminhada, um filme, um cochilo a dois. Simples.
Comentei sobre a matéria com umas três pessoas. Elas acharam extremamente estranho e desnecessário as mulheres pedirem ajuda ao governo para que os homens participassem mais da vida doméstica, para que o estado incentivasse a sociedade a repensar o papel do homem nas famílias brasileiras. Se o mundo está se transformando, se a mulher agora exerce outras funções que não só a de mãe e dona de casa, por que os homens não podem assumir outras responsabilidades? Sem guerra do sexo, sem sexismo. Não precisamos disso.
Pedir ajudar do governo não é o cúmulo, como alguns afirmaram. O governo é o meio pelo qual são lançadas campanhas contra o preconceito, estimulando a boa convivência entre os gêneros, entre o branco e o afrodescente, entre o que não possui necessidade especial e aquele que a tem. Então, por que não estimular a boa convivência entre as mulheres e os homens modernos? Por que, nós, todos, não repensarmos nos nossos papéis sociais?
Eu acho que é como a camisinha. Antes não se tinha propaganda, não se falava sobre métodos preventivos e nem se usava. Com a realidade modificada, aparecimento do HIV, discussões sobre a camisinha se tornaram necessárias. Daí as campanhas “sexo com camisinha” e o seu uso no nosso cotidiano. Talvez, com os homens, o procedimento seja o mesmo. Depois das campanhas, ele e ela estarão trabalhando juntos. Ela lavando a louça e ele trocando a fralda. Pode ser o contrário também. Vai demorar, a conquista será em longo prazo, porém, agora é a hora de começar. Prontos?

Obs: Minha avó com seus 68 anos de idade está cansada. Reclamou de uma propaganda de refil para patente de banheiro. Uma que o cara grita: “Querida, precisa trocar o refil”, daí a mulher chega com roupa de mergulho para trocar o bendito. Não lembro a marca. Mas, enfim, achei engraçado a minha avó reclamar da propaganda, intitulando-a de machista. “Por que sempre a mulher que tem que limpar o banheiro? Eu acho que ele tinha que dizer: Querida vou trocar o refil”, disse a minha vó. Bati palmas para ela, ao mesmo tempo que constatei o quanto ela se incomoda de ser, apenas, a dona de casa. Ah, que fique claro, meu avô, 72 anos, além de trabalhar fora, lava a louça e limpa a calçada. Lindo, assim.

29 comentários:

  1. Flor, também acho que são preciso campanhas para ajudar a toda população que os papéis de homem e mulher na sociedade não são os mesmos de trocentos anos atrás. Mesmo porque, sozinhas, vai ser difícil mudar alguma coisa.
    Achei mto bom o texto, e mto importante a iniciativa.

    ResponderExcluir
  2. Essa questão é muito cultural, infelizmente.
    Mas cabe a nós mudar isso, mostrar aos machos que ninguém morre por lavar uma louça ou limpar o banheiro!!!! hahaha

    ResponderExcluir
  3. Acho que a comparação com as campanhas contra o preconceito deu suporte a sua opinião, Lari.
    Concordo! E veja, no começo, qualquer quebra de paradigma é criticada. Com o tempo as coisas se tornam comuns e aceitas. As mulheres passaram a se auto-tocar para prevenir o câncer de mama, os homens, e até mulheres, deixaram de lado aquela história de que não precisam de prevenir no sexo.. e hoje a qualidade de vida (e expectativa) é maior.
    Dividir a tarefa doméstica, acredito eu, pode salvar casamentos, aproximar casais e deve fazer bem ao psicológico dos dois.
    Boa crítica, Lari.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com você Lari!
    Uma discussão mais aberta sobre os deveres dos homens no lar é necessária sim, não só para atingir os homens, para atingir as mulheres também, afinal, na maioria das vezes são elas que criam e educam eles.

    ResponderExcluir
  5. essa do criar e educar é boa, Wal.
    pior é que a culpa da folga pende para o lado da mulher também, porque são as mães que sempre fazem tudo pelos pimpolhos que os deixam crescer como adultos folgados.
    pena, pena...
    lá em casa irmão e pai têm de lavar a louça, se não, as feministas aqui não cozinham! hahaha

    ResponderExcluir
  6. Lari... concordo e discordo de vc!!!
    Concordo plenamente que as tarefas devem ser divididas, mas quanto a usar subsidios do governo!! Não sei se é por não acreditar muito na eficácia do governo e das campanhas do mesmo.
    Você mesma citou a propaganda com um fundo machista, será que depois de 10 propagandas com essa mentalidade um aviso do governo falando que tarefas do lar devem ser divididas terão alguma influência? Não sei, é um fato a ser discutido..rs

    Mas acho que o caminho passa realmente pela casa e pela consciencia de cada um. Em casa quem seca a louça e limpa o chão depois do almoço é meu pai. Como eu almoço e volto para o trabalho, sobraria para minha mãe. Mas ele não consegue ver ela trabalhando e ficar sentado... ninguém nunca pede pra ele fazer isso. Acho que como ele já morou sozinho e sofreu fazendo a comida e depois limpando, sabe dar valor a quem faz, mais valor do que eu alguma vezes (confesso).

    Mas adorei o tema!

    ResponderExcluir
  7. Ê mulheres! Sempre as mesmas reclamações. A culpa é de vocês mesmo, pois são as mães que ensinam o serviço doméstico às meninas e livram os "piás" disso. Na verdade, você falam tanto em independência (o que eu acho ótimo), mas não sabem o que querem. Ficam só querendo copiar o que o homem faz ou deixa de fazer. Vi na internet que já lançaram até um "equipamento" pra mulher fazer xixi em pé. Por favor, sejam mulheres e se orgulhem disso (assim como tem o "orgulho gay", tá na hora de surgir o "orgulho mulher"). Parem de querer copiar os homens. Não somos exemplo pra nada. O mundo seria melhor se fosse mais feminino e vocês ficam fazendo o caminho inverso.

    ResponderExcluir
  8. onde mesmo que compra o aparelhinho, Sid? (será que consigo escrever o meu nome???)

    ResponderExcluir
  9. Wal, concordo com vc. E, apesar de termos bons exemplos de homem em casa, ainda é minoria. Ana, acredito que a campanha não seja o único fator, mas pode ser um determinante. Pensa, desde que o 'eu tenho nome, e quem nao tem, sem documentos eu nao sou ninguém' saiu, muita gente passou a procurar maneiras de 'ser cidadao' tambem. e numeros mostram isso.
    de qualquer forma, se fosse pra depender da cabeça dos outros, ou da familia em si, aih sim a gente estaria perdido... eu acho...

    ResponderExcluir
  10. essa do aparelhinho é só por praticidade. mulher não quer fazer xixi em pé pra imitar o homem. quer fazer xixi em pé porque não tem onde sentar pra fazer isso em lugares abertos.
    é questão de funcionalidade.

    ResponderExcluir
  11. Então, eu acho que o governo auxilia, mas não que acabará com o problem. Quem nem com os negros, hj tem disciplina de afroliteratura, tem dia da consciência negra e milhões de campanha contra o preconceito racial. Acho que é por aí. A publicidade continua, ainda, machista e apelativa, mas ela tá mudando, aos poucos, lógico. Tem uma da Brastemp que eu adoroooo, é de uns 3 anos atrás, uma em que os homens eram os protagonistas de propagandas de eletrodomésticos. Eram ótimas, eram homens que saiam da geladeira, homens que mostravam tanquinho. Homens objetos num ambiente, culturalmente, feminino. Gostava delas.
    Ahhh, Sid, não disse para ninguém mudar se sexo e nunca pedi para homem nenhum ser mais feminino, todo homem tem sua qualidade, dessas que a gente não encontra em nenhuma mulher. Mas enfim, a proposta é mudar, pq vcs mudaram, a gente mudou, tem que ajudar sim. E, não, eu não gostaria de ficar só em casa.

    ResponderExcluir
  12. agora estou feliz porque acabei de receber, mas espera eu chegar em casa...!! ¬¬

    ResponderExcluir
  13. Só mais um comentário, eu não quero fazer xixi em pé não!!!
    Uma vez estava lendo que fazer a micção sentada ajuda na completa expulsão do líquido, pois, é auxiliado pelos músculos do abdómen, o que previne complicações...
    Pra que arriscar né!!

    ResponderExcluir
  14. Eu discordo! Não da divisão de trabalhos, acho que a divisão tem que existir, o homem suja e a mulher limpa, ta justo não esta? (hehehe brincadeira, de novo, concordo com a divisão de trabalho), mas discordo de usar os recursos públicos para uma campanha desse nível, você comentou no seu texto porque não pressionar o governo para fazer campanhas para a divisão do trabalho como é feito para o uso da camisinha. Há certas coisas que não merecem a intervenção do governo, (não estou desmerecendo a causa) o governo tem que cuidar de outras coisas, saúde, desenvolvimento econômico do país etc, e não causas isoladas de cunho extremista. Por exemplo, não poderia o governo ter incentivado à monogamia, ou então o casamento nos moldes da igreja? Não teria o mesmo efeito? Se questionar um religioso sobre a campanha para uso da camisinha talvez ele dissesse que a campanha só incentivava as pessoas a fazerem sexo (não entenda mal, não sou a favor e nem contra o semi-celibato).
    O homem deve ajudar a mulher, como a mulher deve ajudar o homem. Se vocês querem igualdades, que seja total. Se a conta de água subir estratosfericamente, esqueça o cabeleireiro.
    Sou a favor da divisão do trabalho, mas não ao uso do governo para estimular isso, isso é gradativo e faz parte da individualidade feminina e da submissão que vocês mesma possuem e propagam, não é o homem que é o machista, mas vocês que não se impõem individualmente, e são carregadas de preconceitos, como a fala da Mari, “mostrar aos machos” isso não é a exteriorização de um pensamento de repressão? A favor da classe feminina vocês querem subjugar a classe masculina? E continuar a ter mais demonstrações de desigualdades. Não acredito na mudança de diferenças dos níveis entre os sexos enquanto não houver uma mudança feminina, vocês estão indo no caminho errado e desigual, o machismo está dentro de vocês.

    Obs: Vocês lavam a louça ou é a mãe de vocês? Acho que hoje toda a criatura é mimada, não quer fazer nada, “é só contratar uma emprega(o)”. Será que são feministas ou capitalistas?

    ResponderExcluir
  15. Não li o que o Sid disse. Um sábio.

    ResponderExcluir
  16. E eu nem nasci nas sexta tá Larissa?

    ResponderExcluir
  17. Muito bom, porém, devemos incentivar também a repartição das despesas da casa em partes iguais, pois se teremos direitos iguais, os deveres devem ser iguais

    ResponderExcluir
  18. Então queridíssimo Cleverson...eu acho que o governo tem de ajudar sim, pq nao se trata de uma visão extremista, mas sim de um outro modo de vida, de uma outra sociedade, que, como diz Bauman, tem valores líquidos, que mudam constantemente. Se os valores mudam, pq nao as atitudes?
    E, sobre dividir as contas, eu falo da divisão do trabalho para as mulheres que dividem as contas. Hoje, é mt comum as mulheres bancarem a casa, quando não dividem as contas, porém, ainda não há a divisão do trabalho doméstico – na verdade até existe uma colaboração, contudo é pouco. Olha aí: http://oglobo.globo.com/pais/mat/2007/09/28/297924970.asp
    É um estudo do IBGE sobre mulheres chefes de família e homens que ajudam na casa.

    ResponderExcluir
  19. Querida, não Acho que Zygmunt Bauman queria dizer isso sobre os valores líquidos que mudam constantemente. O termo “líquido” que ele utiliza é um adjetivo que se refere-se à "inconstância dos conceitos no mundo contemporâneo" mas se isso é inconstante a sua causa é nula, pois não é conceitual e sim cultural, passada de Mãe para filha. Não virem homens por favor. =)

    Quem é o Ricardo? Finalmente estou recebendo reforços, Ricardo, Sid.


    Obs: gostei dos Dados, um dia eu entro neles. =)

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Ricardo, segundo a Organização Internacional do Trabalho, a remuneração feminina é, no mínimo, 10% menor que a feminina. É fato, tanto quanto o acúmulo de funções.

    Eu acredito que seria interessante que o governo, antes de tentar criar hábitos, garantisse condições equivalentes de trabalho e renda e fizesse valer o que está "assegurado" pela lei, caso da igualdade entre os sexos no mercado trabalhista. Esse trabalho poderia ser feito pela propaganda, como sugeriram lá em cima, mas acredito ser difícil enquanto as mães, elas mesmas, não tomarem as rédeas (se alguém quiser um exemplo disso, apresento Rondinelli, meu irmão que, aos 13, não sabe nem lavar uma panela direito). É um problema de base.

    E Akeryus, eu odeio lavar louça, quando não sou eu que sujo. Sou meio (um pouquinho mais que) tradicional e gosto de fazer as coisas do meu jeito, e isso inclui lavar, cozinhar e passar, o que não significa gostar de lavar, passar e cozinhar, todo dia, enquanto alguém que poderia estar ajudando toma uma cerveja vendo futebol.

    ResponderExcluir
  22. Essa discussão é de pobre. Para as tarefas domésticas, contrata-se uma empregada (geralmente são mulheres). Assim, homens e mulheres têm mais tempo para fazer coisas mais interessantes. Vem cá: ficar discutindo pra ver quem vai lavar a louça? Ou fazer acordo: eu lavo e você enxuga? Isso é sintoma de pobreza. Xô!

    ResponderExcluir
  23. Temos um Caco Antibes, minha gente. (isso é sério, bicho?)
    Era mais ou menos disso que eu dizia na minha postagem. As pessoas de afastam do que lhes incomoda. É mais fácil discutir sobre carros de diamantes e vestidos de cristal que se informar sobre os soterrados de Angra.
    É, é bem esse o caminho... :/

    ResponderExcluir
  24. Esse texto me trouxe más lembranças Graci eu odeio lavar a louça mesmo quando sou eu que sujo, mas alguém tem que lavar, falando nisso tem uma pia cheia de louça suja para eu lavar.
    Graci prometo que a minha futura esposa nunca me vera no sofá assistindo futebol e tomando cerveja (e não é porque eu não gosto de nenhum dois) estarei no computador enquanto ela lava a louça. Hehehehehehe

    É Sid, elas falam de homem na cozinha, mas duvido contratarem um empregado. E pelo visto vc não lava a Louça, se não entraria nessa nossa campanha contra o direito de sujar a Louça e não se preocupar (ixii vou morrer depois dessa).

    Culpa da Larissa que escreveu um texto que segundo ela, era puro e politicamente correto para todos os lados. (não necessariamente nessas palavras).

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Hahaha!!
    Vim trabalhar e deixei o Rondinelli lavando a louça, na minha casa.

    Se ferrou! Hahaha!!

    ResponderExcluir
  27. Vencemos. O Sid acabou de dizer que tava lavando a louça. hahaha

    ResponderExcluir
  28. Graci, minha mãe foi em casa e lavou a louça.
    \o/

    Lari, agora ele se junta a bandeira.

    ResponderExcluir